Como ser um bom consolidador

O sonho de todo Pastor é fechar, de vez, a “porta dos fundos” de seu Ministério, ou seja, não perder mais ninguém.

É inegável que Deus tem enviado uma verdadeira multidão às Igrejas. São pessoas que aceitam Jesus e que frequentam as células e os Cultos com uma enorme empolgação. No entanto, por algum motivo, elas se dispersam, esfriam e não voltam mais. Como evitar este “mal”? Através de uma boa consolidação.

Mas, como ser um bom consolidador?

1º – Demonstrando um interesse genuíno nas pessoas:

Sabe, quando a Igreja está focada no crescimento, corre-se um grande risco de transparecer para as pessoas que estão chegando que elas são, apenas, umnúmero, seja na célula, na rede, no Culto ou na Igreja. E, é, justamente, isso, o que as desanima de voltar.

Por isso, a primeira dica é demonstrar um genuíno interesse na vida de cada pessoa, deixandobem claro que o foco é no crescimento pessoal e na felicidade de cada um.

2º – Ser um bom ouvinte:

Não há quem não goste de conversar com pessoas que param para ouvir o que se tem a dizer. A dica, então, é – ouça mais e fale menos.

Quando a pessoa que está chegandoencontra um bom ouvinte, ou seja, alguém que tem a arte de escutar, ela entrega o coração e passa a se sentir parte da “família”.

3º – Estabelecer um ponto comum com a pessoa que está chegando:

É preciso que o consolidador capte uma área que se tenha como ponto em comum com a pessoa que está chegando, por exemplo, se o consolidador gosta de futebol e percebe que a pessoa a ser consolidada fala, com frequência, de futebol, este será o ponto em comum pelo qual ele irá começar uma conversa,para que se possa desenvolver um relacionamentoà partir deste ponto.

4º – Ser bom na arte de fazer perguntas:

É muito comum que as pessoas que estão chegando tenham certa timidez. Outras, por sua vez, são, por natureza, muito fechadas e, de fato, não se expressam, mesmo quando estimuladas. O que fazer neste caso? Perguntas!

Talvez, alguns pensem:

– “Mas eu faço perguntas e, mesmo assim, a pessoa não fala!”

Porém, a questão não é se as perguntas estão sendo feitas; mas, sim, se quem está fazendo as perguntas, está sabendo fazer as perguntas certas!

Existe uma grande variedade de perguntas que, aliadas a estratégias certas, levam a pessoa a se abrir, ainda que sem querer.Como assim? Experimente contar um pouco da sua família, da sua história, para que a pessoa possa ter a oportunidade de se sentir confortável e possa achar um ponto em comum com você que a ajude a se abrir.Aí, então, pergunte – “E você? Você poderia me contar um pouco sobre você?” – Estratégias simples, como esta, são capazes de abrir qualquer coração.

Outra grande dica envolvendo a arte de fazer perguntas é sempre procurar fazer perguntas abertas, perguntas que levam a outra pessoa a responder com todo um contexto e não apenas dizendo um simples “sim” ou “não”.

5º – Demonstrar alegria:

A alegria contagia! A pessoa alegre consegue alcançar os corações mais difíceis que se possa imaginar.

É preciso que, ao falar, a alegria seja transbordante. Quando o consolidador é uma pessoa descontraída, alegre e que consegue fazer com que a pessoa que está chegando sorria – Bingo! – pode-se ter a certeza de que o coração do recém-chegado foi alcançado!

6º – Ser um motivador:

Não há quem não goste de estar perto de um líder, de um Pastor, de um amigo ou de um chefe, que motive e que influencie o crescimento, bem como, a alcançar resultados práticos, seja em que área for.

Em uma conversa, por mais informal que seja, sempre surgem oportunidades para que se faça uso do “patrocínio positivo”.

Veja como as coisas se completam:

A pessoa chegou e o consolidador começa a estratégia se interessando pela vida do recém-chegado. Ouve com atenção, estabelece um ponto em comum para que se possa dar continuidade ao relacionamento, começa a fazer as perguntas certas, descontrai para não parecer um interrogatório, volta às perguntas específicas sobre a vida, o ministério ou o trabalho e elogia ou motiva os sonhos, ou um resultado específico, que a pessoa almeja.

Quando esta arte é absorvida por toda a equipe, o crescimento será consequência de um estilo de vida – o de ganhar as pessoas como amigas para depois ganhá-las para Cristo.

Porque quando se ganha a amizade de alguém, falar sobre a Palavra de Deus e sobre Cristo Jesus é muito mais fácil!

Ser um bom consolidador é o segredo para que se feche, definitivamente, as “portas dos fundos” de qualquer ministério; pois, uma boa consolidação cria vínculos de amizade fortes o suficientes paraque se transformem em discipulados sólidos, com o poder de transferir um “DNA” saudável, capaz de gerar novos consolidadores de excelência.

Você já imaginou o impacto que uma Igreja cheia de bons consolidadores é capaz de fazer?